Seleção FI da Série B com ameaçados e líderes, além de técnico que venceu clássico

O esquema armado no 4-4-2 tem no comando de Jorginho Cantinflas que venceu o clássico com Figueirense em cima do Avaí

por Agência Futebol Interior

Campinas, SP, 28 (AFI) - Na reta final do Campeonato Brasileiro da Série B cada jogo vira uma decisão, tanto pra os times que brigam pelo acesso como para aqueles que estão na luta contra o rebaixamento. Por isso mesmo, é comum se ver um time com poucos pontos complicar a vida de um que está lá em cima, como aconteceu na vitória do Náutico, dentro da degola, em cima do Cuiabá, em terceiro lugar.

Para montar a Seleção FUTEBOL INTERIOR da 31.ª rodada aparecem algumas das estrelas que brilharam em campo. Algumas ficaram de fora, é claro, por falta de espaço. O esquema armado no 4-4-2 tem no comando o experiente Jorginho Cantinflas que pegou de jeito o Figueirense e venceu o clássico diante do Avaí.

CONFIRA COMO FICOU A SELEÇÃO FI DA SÉRIE B:

Goleiro: Jefferson Paulino (Guarani)
Teve a difícil missão de substituir o titular Gabriel Mesquita contra um dos melhores ataques da Série B e também diante do artilheiro do campeonato. E deu conta do recado. Jefferson Paulino fez pelo menos três boas defesas, uma delas em chute de Caio Dantas, e garantiu o resultado positivo do Bugre.

Lateral-direito: Pablo (Guarani)
Com a suspensão de Cristóvam, Pablo foi recuado para a lateral direita, onde atuava antes da chegada de Felipe Conceição. E mostrou que pode ajudar em qualquer lugar. Fez uma partida segura lá atrás. Quando foi novamente deslocado para o ataque, marcou o gol da vitória sobre o Sampaio Corrêa ao aproveitar cruzamento de Lucas Crispim.

VEJA GOL DE AMÉRICA-MG 1 X 0 CRB

Zagueiro: Guilherme Thiago (Figueirense)
De volta ao time depois de se recuperar da Covid-19, Guilherme Thiago não foi importante só na defesa, segurando os atacantes do Avaí, como foi quem abriu o placar para a vitória do Figueirense no clássico. É verdade que o gol teria que ser anulado, porque a bola acertou o braço de Diego Gonçalves após cobrança de escanteio.

Zagueiro: Rafael Ribeiro (Náutico)

Náutico segurou o Cuiabá em terceiro lugar
Náutico segurou o Cuiabá em terceiro lugar

Teve uma grande atuação pelo Timbu. Foi importante na defesa, onde salvou um gol quase em cima da linha, e também valioso no ataque ao marcar um dos gols. Precisa mais?

Só mesmo não evitou a queda do time para a zona de rebaixamento, aparecendo ainda em 17.º lugar com 35 pontos.

Lateral-esquerdo: Busanello (Chapecoense)
Mais uma vez teve boa atuação ao entrar no lugar do titular Alan Ruschel. Aliás, como fez em outros jogos, inclusive, quando Ruschel atuou deslocado para o meio-campo.

Nesta noite de segunda-feira, ele ainda ajudou o time no ataque. No primeiro gol, por exemplo, recuperou uma bola praticamente perdida na linha de fundo, cruzou e na sequência saiu o gol de Anderson Leite.

Juninho: termômetro do Coelho
Juninho: termômetro do Coelho

Volante: Juninho (América-MG)
Marcou o importante gol da vitória, por 1 a 0, em cima do CRB. Mais do que isso, tem sido o grande termômetro do meio-campo do Coelho e homem de confiança do técnico Lisca.

Tanto que ao marcar o gol, ainda no primeiro tempo, como capitão do time, convocou seus companheiros para dar um abraço no comandante. A festa foi geral. E merecida.

Volante: Barreto (Ponte Preta)
Uma das surpresas de Fabinho Moreno na escalação contra o Cruzeiro, Barreto fez a sua melhor partida desde que chegou ao Moisés Lucarelli, lembrando o jogador da época do Red Bull

Barreto ganha espaço na Macaca
Barreto ganha espaço na Macaca

Bragantino. Implacável na marcação, anulou os meias celestes e mereceu elogios do treinador após a partida.

Tem tudo para seguir entre os titulares. Aliás, demoraram pra entender que tanto Barreto como Matheus Peixoto precisam ser titulares na Ponte Preta. Falta de visão, de histórico, de pesquisa.

Meia: Nadson (CSA)
Esteve inspirado, participando ativamente do jogo, e funcionando como uma maquininha do time na vitória esmagadora em cima do Vitória, por 3 a 0. Para coroar a sua atuação, fez um dos três gols e saiu de campo como herói. Mereceu.

Meia: Bruno José (Brasil-RS)
Bruno José é o motorzinho do Brasil-RS. A maioria das bolas passa por ele. Além de passes precisos, o meia também mostra que é certeiro em seus chutes. Contra o Confiança, ele revelou mais uma qualidade: a velocidade. Bruno José arrancou do seu campo, em um contra-ataque perfeito, e mandou para o fundo das redes. O Brasil-RS sonha com o G4.

Atacante: Bruno Rodrigues (Ponte Preta)
É o jogador mais importante da Macaca. E isso ficou claro na vitória sobre o Cruzeiro, por 2 a 1, no Moisés Lucarelli. Cobrou o escanteio que originou o gol do zagueiro Luizão e depois contou com uma falha do goleiro adversário para colocar a Ponte novamente na briga por uma vaga no G4 da Série B. Não é a toa que a torcida vem pedindo a sua permanência para a temporada 2021.

Operário se reabilitou com implacável 3 a 0
Operário se reabilitou com implacável 3 a 0

Atacante: Douglas Coutinho (Operário)
Tudo bem que o golaço marcado por Rafael Oller roubou a cena, mas o grande destaque da goleada do Operário sobre o Juventude, por 3 a 0, foi Douglas Coutinho.

O atacante deu um cruzamento preciso para Ricardo Bueno abrir o placar e depois fechou o caixão ao mostrar inteligência para ver o posicionamento errado de Marcelo Carné.

Técnico: Jorginho Cantinflas (Figueirense)
Armou muito bem seu time, jogando com inteligência e eficiência, resultado na vitória no clássico por 2 a 0 em cima do rival Avaí, que, em tese, seria o favorito para o clássico. O importante

Jorginho: bom trabalho
Jorginho: bom trabalho

resultado tirou o time da zona de degola, com 35 pontos, com melhor saldo de gols - -5 a -7 - em cima do Náutico, que abre a zona de queda.

Independente disso, Jorginho teve méritos e ‘pegou nas mãos’ o Figueirense para sua recuperação na competição. Mesmo assim, ainda vai ter trabalho para evitar a queda à Série C, porque a briga está ferrenha.