Diniz discorda de Hernanes no São Paulo, mas admite: 'Precisamos melhorar'

O técnico disse que o time teve a pior atuação sob o seu comando após o Fluminense abrir o placar

por Agência Estado

São Paulo, SP, 07 - Após Hernanes dizer que foi vergonhoso o São Paulo ter perdido para o Fluminense nesta quinta-feira, o técnico Fernando Diniz discordou do jogador.

Para o treinador, a equipe vinha tendo boa atuação até sofrer o gol aos 36 minutos do primeiro tempo. O segundo gol adversário foi marcado aos 39.

Diniz, porém, afirmou que a derrota cria "certa instabilidade". O São Paulo briga pelo G-4 do Campeonato Brasileiro e perdeu para um adversário que luta contra a zona de rebaixamento.

"Vergonha temos que ter de perder em casa. Tivemos dificuldades, mas não achei a partida vergonhosa. Perder em casa na situação que estamos almejando, o G-4, cria uma certa instabilidade. Não achei que foi vergonhosa, mas jogamos mal e precisamos melhorar. O desempenho foi muito ruim", disse o treinador.

Diniz discorda de Hernanes no São Paulo, mas admite: 'Precisamos melhorar'
Diniz discorda de Hernanes no São Paulo, mas admite: 'Precisamos melhorar'

FOI BEM ATÉ
Diniz gostou da postura do São Paulo até o primeiro gol sofrido. O técnico disse que o time teve a pior atuação sob o seu comando após o Fluminense abrir o placar.

Com Diniz, o São Paulo soma cinco vitórias, dois empates e três derrotas.

"Assustado (com a atuação), não, de maneira alguma. Até o gol, estávamos fazendo uma partida dentro do que foi planejada.

Depois do primeiro gol, que nasceu de uma falta desnecessária e tivemos uma falha na marcação, o time deu uma desestabilizada e mais ainda depois do segundo gol", analisou.

MUDANÇAS
Na volta do intervalo, Diniz colocou Hernanes e Alexandre Pato nas vagas de Jucilei e Liziero. O treinador lamentou que as substituições não surtiram o efeito esperado.

"Faltaram mobilidade e muitas outras coisas. O Fluminense abaixou as linhas e se defendeu bem em pouco espaço. Tivemos muitas dificuldades para criar, não só para concluir", afirmou.