MP-AC abre exceção e libera Bruno de usar tornozeleira em jogos do Rio Branco

De acordo com o MP, a ideia é facilitar a ressocialização do condenado pelo assassinato de Eliza Samudio

por Agência Futebol Interior

Rio Branco, AC, 04 (AFI) - O Ministério Público do Acre (MP-AC) abriu uma exceção ao goleiro Bruno Fernandes. O condenado poderá tirar a tornozeleira eletrônica quando entrar em campo pelo Rio Branco, seu novo clube.

Na verdade foi feito um ajuste no pedido formalizado à Justiça do Acre. De acordo com o MP, a ideia é facilitar a ressocialização do condenado pelo assassinato de Eliza Samudio, mãe do seu filho.

Bruno chegará ao estádio de tornozeleira, mas antes da partida, será retirado o item. Após o jogo, Bruno terá sua tornozeleira colocada novamente. Isso só vale para jogos oficiais. Nos treinos, por exemplo, Bruno terá que usar a tornozeleira.

Jogos sem tornozeleira. (Foto: Divulgação)
Jogos sem tornozeleira. (Foto: Divulgação)
Já em jogos fora do estado, Bruno terá que avisar com antecedência. Afinal, o alcance da tornozeleira é pequeno. Nesses casos, a Justiça terá que liberar que o goleiro fique sem o item durante o tempo da viagem.

APRESENTAÇÃO
Bruno se apresentou ao técnico João Mota na quinta-feira passada, treinou na sexta e nesta segunda. O Rio Branco-AC vai disputar o segundo turno do Campeonato Acreano, o Campeonato Brasileiro da Série D e a Copa Verde.

Bruno, de 35 anos, foi condenado pela Justiça a mais de 20 anos de prisão pelo sequestro, assassinato e ocultação de cadáver da ex-namorada e modelo Eliza Samudio, ocorrido em 2010. Nesse momento, ele cumpre sua pena no regime semiaberto.

RETORNO DA CARREIRA
O goleiro tenta retomar a carreira, mas por enquanto teve apenas passagens curtas no futebol. No início deste ano, o Operário-MT desistiu da contratação de Bruno após protestos de torcedores. O mesmo já havia acontecido com o Fluminense de Feira.

Ainda em 2014, o Montes Claros, então na segunda divisão de Minas Gerais, contratou Bruno. No entanto, o goleiro ainda cumpria pena em regime fechado e não pôde atuar.

Já em 2017, após habeas corpus, Bruno acertou com o Boa Esporte Clube e chegou a realizar cinco partidas antes de voltar para a prisão. Em 2019, atuou por meio tempo pelo Poços de Caldas.