Ponte corre risco de não ter nenhum reforço à disposição para reinício do Paulista

Por determinação da FPF, Macaca não pode inscrever seis das oito contratações

por Lucas Rossafa

Campinas, SP, 10 (AFI) - Após reunião por videoconferência com a Federação Paulista de Futebol (FPF), a Ponte Preta corre risco de não ter nenhum dos oito reforços oficializados durante a pandemia do novo coronavírus no reinício do Campeonato Paulista.

Por determinação da entidade máxima, definiu-se pelo cumprimento integral do artigo 21 do Regulamento Geral de Competições (RGC), o qual determina que o atleta inscrito pode defender apenas um clube, independente da série de disputa, no Estadual.

Ex-Mirassol, Luís Oyama e Neto Moura 'desfalcam' a Ponte no Paulista - Luiz Guilherme Martins / AA Ponte Preta
Ex-Mirassol, Luís Oyama e Neto Moura 'desfalcam' a Ponte no Paulista

Desta forma, o técnico João Brigatti fica impossibilitado de escalar seis jogadores, oriundos após bom desempenho no Paulistão deste ano.

São os casos dos zagueiros Rayan (ex-Ferroviária) e Luizão (ex-Santo André), do lateral-esquerdo Ernandes, dos volantes Neto Moura e Luís Oyama e do meio-campista Camilo - os quatro últimos defenderam o Mirassol.

DOR DE CABEÇA

Um dos últimos reforços confirmados pela diretoria executiva, Moisés e Osman também podem estar fora de combate nos dois últimos jogos da fase de grupos.

O primeiro desembarca em Campinas apenas em 20 de julho, um dia depois de encerrar a participação no Campeonato Catarinense pelo Concórdia - o Paulistão está programado para ser retomado no dia 22.

Osman, por sua vez, não entra em campo desde agosto de 2019 em decorrência de grave lesão no joelho. Longe da forma física ideal, atacante não deve reunir condições de enfrentar Novorizontino (casa) e Mirassol (fora).