Paulistão: Eduardo Baptista reconhece pressão por jejum de títulos do Palmeiras

"Oito anos sem ganharmos o Paulista não é bom. O Palmeiras tem a mesma responsabilidade da Ponte Preta", disse

por Agência Estado

São Paulo, SP, 14 - O técnico Eduardo Baptista afirmou nesta sexta-feira que "não é bom" o jejum de oito anos que o Palmeiras vive sem a conquista de títulos paulistas. O último troféu estadual foi erguido pelo time em 2008, quando travou decisão contra a Ponte Preta, o mesmo rival das semifinais desta edição do torneio a partir de domingo, em Campinas.

"A Ponte vai buscar o título que ainda não tem, com sangue no olho, e o Palmeiras vai entrar do mesmo jeito. Oito anos sem ganharmos o Paulista não é bom. O Palmeiras tem a mesma responsabilidade da Ponte Preta, sempre colocando a organização junto", disse o treinador em entrevista coletiva na última manhã na Academia de Futebol.

Embora não tenha vencido as últimas edições do Campeonato Paulista, o Palmeiras é o atual campeão brasileiro e venceu a Copa do Brasil em 2012 e 2015. E, com um forte elenco, avançou às semifinais como principal favorito ao título.

Ao abordar as semifinais que começam no domingo, o treinador fez comparações entre o próximo rival no Campeonato Paulista e o Penãrol, adversário de quarta-feira pela Libertadores e que foi vencido pelo Palmeiras com um gol aos 54 minutos do segundo tempo do jogo que terminou em 3 a 2.

"(A Ponte) não é viril como o Peñarol, vamos ter espaço para circular. Estamos nos adaptando melhor no Paulista do que na Libertadores, na qual temos pontos a evoluir. Para o Paulista estamos em bom nível", afirmou o comandante.

'Oito anos sem ganharmos o Paulista não é bom', afirma Eduardo Baptista - Foto: César Greco / Ag. Palmeiras
'Oito anos sem ganharmos o Paulista não é bom', afirma Eduardo Baptista
ROGER GUEDES É 'CAÇADO' EM TREINO
Depois da dramática vitória sobre o Peñarol, a comissão técnica do Palmeiras decidiu realizar uma atividade para descontrair o elenco nesta sexta e continuar a recuperação física iniciada na quinta-feira visando o jogo contra a Ponte Preta.

No treinamento, o alvo principal das brincadeiras foi o meia Róger Guedes, poupado do jogo de quarta-feira. De maneira descontraída, ele foi perseguido pelos jogadores do elenco, amarrado pelos companheiros e recebeu várias ovadas. Mas voltou ao gramado para o treinamento. Os jogadores até ensaiaram um "parabéns para você", mas o atleta reclamou - seu aniversário é apenas no dia 2 de outubro.

O técnico Eduardo Baptista e o diretor Alexandre Mattos acompanharam a brincadeira. Na semana passada, o alvo havia sido o goleiro Vinicius Silvestre. "É um grupo de alto astral, sabe quando brincar e quando fazer a coisa séria. Eles têm as apostas deles e pegaram um. Importante que depois o treino foi sério e conseguimos o que queríamos", disse Eduardo Baptista após o treinamento.

Durante o treino desta sexta-feira, Mina, Guerra e Dudu, os atletas que apresentaram mais desgastante após o jogo da Libertadores, fizeram exercícios de fortalecimento muscular na parte interna da Academia de Futebol. Além de Róger Guedes, Jean também treinou normalmente e está recuperado de lesão. Os jogadores foram liberados para o almoço com as famílias nesta sexta-feira. A concentração começará às 18h do sábado.