Eduardo Person minimiza atraso salarial no Guarani: 'Ninguém é mágico'

Prejudicado por pandemia, Bugre ainda não quitou a totalidade dos vencimentos de março

por Lucas Rossafa

Campinas, SP, 01 (AFI) - O salário atrasado no Guarani durante a pandemia do coronavírus não tira o sono de Eduardo Person.

Embora o Bugre ainda não tenha conseguido quitar a totalidade dos vencimentos de março, o volante adota cautela e pede paciência para compreensão dos impactos provocados pela doença.

Eduardo Person minimiza atraso salarial no Guarani - David Oliveira / Guarani FC
Eduardo Person minimiza atraso salarial no Guarani
"A gente tem que se sensibilizar também com essa situação. O Guarani nos pagou uma porcentagem grande. Eu não vejo motivo algum de ficar doido com isso, até mesmo porque não é só o Guarani. Está sendo assim em todos os clubes do Brasil. Ninguém é mágico para poder tirar dinheiro também", declarou o jogador, em entrevista à Rádio Central de Campinas.

"Não estamos tendo jogos, não estamos tendo direito de imagem, não estamos passando na TV e não temos o dinheiro da arquibancada. Então, querendo ou não, para clubes do interior, como é o Guarani, isso influencia muito. Eu não vejo motivo algum para se desesperar. A diretoria, desde quando cheguei, sempre foi olho no olho e está sendo assim até hoje", acrescentou.

META

O plano do Conselho de Administração é acertar, a partir desta semana, a parcela restante de parte do elenco - alguns receberam apenas 60% -, além do mês de abril para jogadores e funcionários do Brinco de Ouro da Princesa.

"Eu não vejo o motivo de ter desconfiança, até mesmo porque todo mundo ali confia no outro. Nós temos que continuar remando o barco para que, lá na frente, tudo possa melhorar e voltar ao normal", completou Person.