ESPECIAL RECOPA: A importância de Grohe na história gremista

Goleiro defendeu a cobrança decisiva do Independiente e deu ao clube gaúcho o troféu

por Agência Futebol Interior

Porto Alegre, RS, 22 - O Grêmio voltou a contar com a estrela de Marcelo Grohe para conquistar um título. Em fevereiro, depois de 120 minutos sem gols na Arena, o goleiro tricolor brilhou na disputa de pênaltis diante do Independiente, defendeu a cobrança decisiva do adversário e deu ao clube gaúcho o troféu da Recopa Sul-Americana.

Como em tantas outras oportunidades nos últimos anos, Grohe foi o herói que a torcida tricolor precisava e ofuscou a incompetência do Grêmio em atacar o Independiente, que voltou a atuar durante a maior parte do confronto com um jogador a menos. Como no duelo de ida, o empate por 1 a 1 em Avellaneda, o auxiliar de vídeo definiu a expulsão de um argentino no primeiro tempo.

O histórico de atuações decisivas do goleiro é longo. Com 14 pênaltis defendidos vestindo a camisa gremista, ele fez milagres na semifinal e no tricampeonato da Libertadores, em 2017. Além disso, foi essencial em outras conquistas, como na Copa do Brasil de 2016, quando defendeu três penalidades do Atlético-PR, nas oitavas de final.

Os números de Grohe mostram o quanto ele é decisivo. O gremista defendeu pelo menos uma cobrança em sete das oito disputas por pênaltis que enfrentou desde 2013. A única decisão na qual não pegou nenhuma penalidade foi em 2014, nas oitavas de final contra o San Lorenzo.Entre as oito disputas, foi eliminado apenas em três, com um total de 12 pênaltis defendidos.

Foto: Lucas Uebel / Grêmio
Foto: Lucas Uebel / Grêmio

RELEMBRE A CONQUISTA DA RECOPA SUL-AMERICANA:

Na ocasião, o Grêmio deixou evidente o seu cansaço pelo início de temporada e teve muita dificuldade para incomodar o adversário. Mas, no fim, o troféu coroou mais uma vez o clube gaúcho.

Renato Gaúcho entrou em campo com Alisson como novidade e o meia foi um dos melhores jogadores do time tricolor, trocando de posição com Everton no primeiro tempo. Os donos da casa foram com tudo ao ataque no início, finalizando antes do primeiro minuto com Everton.

Aos sete, Alisson recebeu na intermediária, ganhou no corpo e deu enfiada perfeita para Everton. O atacante chegou a driblar Campaña antes de finalizar. Amorebieta, de carrinho, salvou. A resposta do Independiente veio aos nove. Gaibor arrancou com liberdade e abriu na esquerda com Fernández, que exigiu boa defesa de Grohe.

INTENSO
A intensidade ofensiva do Grêmio permitia espaços ao Independiente, mas logo o jogo perdeu em intensidade e o time da casa só foi chegar em um lance fortuito. Aos 37, Pedro Geromel cobrou falta do campo de defesa, Cícero desviou de cabeça e Luan aproveitou erro cochilo da marcação para aparecer sozinho dentro da área, mas jogou para fora.

Dois minutos depois, o Grêmio ficou com um homem a mais. Amorebieta afastou a bola e deixou o pé no peito de Luan, que ficou sentindo. O árbitro foi avisado pelo auxiliar de vídeo, assistiu ao lance e decidiu expulsar o zagueiro.

Foto: Lucas Uebel / Grêmio
Foto: Lucas Uebel / Grêmio

Só que, outra vez, o Grêmio não soube traduzir a vantagem numérica em superioridade. O time só voltou a atacar no segundo tempo, quando perdeu duas boas chances antes dos dez minutos. Primeiro com Everton, que chutou em cima de Campaña de dentro da área. Depois, Luan recebeu com espaço e acertou o zagueiro.

O ritmo voltou a cair, fruto também do desgaste gremista neste início de temporada. Renato, então, decidiu colocar o time para frente com Jael no lugar de Jaílson. Em sua primeira participação, aos 23, o atacante tabelou com Alisson e bateu firme, para outra boa defesa de Campaña.

GROHE!
Mas parou por aí, e o jogo foi para a prorrogação. Nela, Jael foi responsável pelas duas principais chances gremistas. No primeiro tempo, finalizou de cabeça após cruzamento da direita e acertou o travessão. Na etapa final, tentou em cobrança de falta, que desviou na barreira e exigiu grande defesa de Campana. O Independiente também teve sua oportunidade de cabeça, com Meza, que jogou rente à trave.

O confronto seria decidido nos pênaltis. E aí, apareceu a estrela de Marcelo Grohe. Na décima e última cobrança, o goleiro defendeu a cobrança de Benítez para dar o título ao Grêmio. Maicon, Cícero, Jael, Everton e Luan converteram suas tentativas e permitiram que o camisa 1 tricolor se tornasse herói mais uma vez.